Nossa entrevista estava marcada para o dia 29.09 as 14:30. Chegamos a São Paulo dia 28.09 por volta das 19hs. Foi uma viagem estressante, com direito a aeroporto fechado, atraso de vôo, um almoço "veneno" no aeroporto que não bateu legal e males diversos por conta disso...

Em São Paulo nos hospedamos no Hotel IBIS Morumbi do ladinho do Hotel F1. Recomendamos, pois é bem próximo do BIQ e do Consulado Canadense, cerca de 5 minutos de carro, sendo que o taxi sai por volta de 9 reais a corrida até lá, e pra completar, é em frente ao Shopping Morumbi. Nota 10!

Como a entrevista estava marcada para as 14:30, tentamos dormir bem pra acordar cedo e aproveitar a manhã pra estudar e revisar, mas ficamos só na tentativa. Poucas horas dormidas, e sem opção levantamos cedo. Estudamos um pouco até as 09:30, depois descemos e tomamos um café bem reforçado, já valendo como almoço. Retornamos para o nosso quarto e revisamos mais algumas coisas importantes até o meio-dia e fomos nos aprontar pra ir pro BIQ. Saímos do hotel as 13:40, pegamos o taxi direto pro BIQ. Passei uma informação errada pro motorista do taxi e acabamos parando no prédio do Consulado Canadense (maldito Google), pra nossa sorte o BIQ fica num edifício a 100 metros de lá. Achamos o bendito edifício e já nos apresentamos na portaria. A recepcionista nos identificou, contatou o BIQ que nos autorizou a subir.

Chegando à recepção do BIQ era 14hs, a moça solicitou nossos nomes e pediu que aguardássemos na sala ao lado. Entramos, tudo vazio e na TV passava um show québécois, até ai tudo parecia normal, exceto o som que vinha de dentro de uma das salas, a voz de uma mulher muito exalta, parecia falar ao telefone e a conversa toda em francês. Nesse momento a gente olhou um pra cara do outro e pensamos "o bicho pegou agora". Engolimos seco naquele momento... Daí, eis que sai uma mulher da sala, e adivinha?!.. era a Mme. Sylvaine Hérnissart, que passou encarando a gente e soltou um sorriso meio de canto e entrou na sala dela. Logo depois volta, pergunta nossos nomes e nos chama pra entrar.

Nos sentamos e ela começou a explicar como seria a entrevista, que iria conferir os nossos documentos e que a entrevista duraria cerca de 1 hora. Começou pedindo os passaportes, depois perguntou se éramos "conjoint de fait" e nos pediu documentos para comprovarmos. Apresentamos nosso contrato de aluguel de mais de 3 anos, contas e ela se deu por satisfeita. Logo em seguida pediu o diploma e o histórico de mestrado da Mariângela e perguntou sobre o que era a dissertação do mestrado. A Mariângela explicou que tinha estudado uma espécie de caranguejo e mais detalhes. Ela achou interessante e perguntou mais algumas coisas sobre isso, sempre específicas em relação a biologia. E então a Mme. Hérnissart olhou o histórico dela (excelente, diga-se de passagem, com A em todas as matérias),e a partir de então passou a testá-la e fez uma pergunta sobre o campo de trabalho de biologia marinha no Québec. Nesse momento a Mariângela deu uma travada, pois não esperava uma pergunta tão específica, pois seu mestrado foi voltado pra Zoologia Geral. Nessa hora a Mme. Hérnissart foi bem sarcástica, querendo testar ainda mais, pois ela estava bem nervosa com a entrevista e ansiosa em falar, mas a Mme. Hérnissart queria somente as respostas para as perguntas que ela fazia. E a partir disso passou a ser extremamente indelicada e grossa, mandando ela ficar quieta várias vezes durante os momentos em que ela deveria falar mesmo. Além disso pediu as comprovações de trabalho da Mariângela. Ela checou tudo e fez mais algumas perguntas sobre a experiência dela como professora universitária e em seguida pediu para ela dizer como foi a última aula que ela deu. Teve momentos que eu tive que intervir e ajudar, pois a Mme. Hérnissart foi mais com a minha cara que com a dela, pra poder contornar a situação. Depois ela perguntou se ela falava inglês, e a Mariângela respondeu um pouco em inglês.

Ai começou a me pedir meu histórico da universidade, eu entreguei a ela. Ela perguntou quando eu iria terminar a faculdade e eu respondi que seria no primeiro semestre de 2010. Depois ela disse que conhecia vários arquitetos no Québec, e que eu precisaria da Ordem dos Arquitetos de lá pra exercer a profissão. Expliquei que estava ciente disso e que tinha pesquisado a respeito. Ela ficou satisfeita. Então, me perguntou sobre minha experiência profissional e o que eu já havia feito. Disse sobre a empresa que tinha e outros empregos que já tive. Outra pergunta que ela me fez foi sobre a diferença dos sistemas de construção do Brasil e do Québec, dei uma enrolada e ela meio que aceitou. Além de me perguntar se falava inglês, eu disse que falava um pouco e entendia bem. Finalizando ela me aconselhou concluir a faculdade, pois sem ela eu não teria um futuro promissor lá.

E pra concluir o grande momento... Ela calculava e calculava, olhava as pastas dela, foi o momento mais tenso das nossas vidas. Ela demorou muito pra decidir, pegou o "Aprendre Québec" nos entregou e começou a imprimir o bendito CSQ. (Ufffaa!!!) Estávamos atordoados com toda a entrevista que nem reagimos e ela ficou nos olhando estranhamente. Depois explicou com fazer o processo federal, etc. Nós agradecemos e nós despedimos dela. Saímos duros da sala em direção a recepção, com uma expressão das piores, pois não esperávamos que isso acontecesse na nossa entrevista. O que lemos nos diversos relatos, não foi o que realmente aconteceu conosco. Ficamos muito decepcionados e indignados com a condução da entrevista, pois o que nos pareceu foi que ela descontou sua ira naquele momento, deve ser pelo telefonema antes da nossa entrevista. Na saída estava um casal que tinha acabo que chegar no BIQ. Olharam para a gente como se estivessem visto um fantasma e eu tentei cumprimentá-los, mas eles nem responderam, pois estavam assustados da forma que saímos da sala. Estavamos lá dentro há 1 hora e 10 minutos.

Mas enfim conseguimos o nosso CSQ e ainda como francófonos!!!! Foi difícil obtê-lo, mas nosso objetivo foi alcançado!!!

Obrigado a todos pela torcida e nos desculpem pela demora em postar nosso relato.

Desejamos boa sorte para quem vai fazer a entrevista e também pra quem já conseguiu, pois a caminhada continua.

À bientôt!!

Dica: Estude muito o seu mercado de trabalho e suas especificidades, pois o motivo deles quererem um imigrante é para ocupar um posto de trabalho na sua área de especialização e não só de formação. A nossa entrevista foi focada nisso e não em projetos, orçamentos, apartamentos, cidade escolhida ou coisas do tipo.

Comments (2)

On 05/10/2009 13:55 , Sra. Incrível disse...

Olá pessoal!

estou acompanhando o blog de vocês e já estava anciosa pelas novidades! Parabéns pelo CSQ e boa sorte no federal!

A.
entaovamos.blogspot.com

 
On 06/10/2009 18:17 , Blonde disse...

Parabéns!!!!!

 
BlogBlogs.Com.Br